Facebook
Now Reading
O Facebook e o Instagram possui menos pessoas verificando conteúdos inapropriados em suas redes.
70 7 0

O Facebook e o Instagram possui menos pessoas verificando conteúdos inapropriados em suas redes.

by Will Lyra23 de abril de 2020

À medida que a epidemia de coronavírus entra na lista de funcionários do Facebook e do Instagram que monitoram as postagens denunciadas, postagens inapropriadas são ignoradas e deixadas de lado, apesar dos protestos dos usuários.

Com as crianças fora da escola e potencialmente gastando mais tempo online, como os pais podem protegê-las à medida que os aplicativos reduzem o autopoliciamento?

Sean Wright, fundador e presidente da Affinity Technology Partners, um provedor de serviços de TI gerenciado em Brentwood, disse que a melhor maneira de proteger as crianças de conteúdo inapropriado é discutir a segurança on-line com eles e informar que não há problema em fazer perguntas sobre o que veem on-line. .

Ele recomenda que os pais pensem em instalar aplicativos e programas que limitem o tempo de tela das crianças e possam censurar o conteúdo em vários dispositivos, especialmente porque 95% dos adolescentes agora têm acesso a um smartphone, diz o Pew Research Center.

“Hoje em dia é ainda mais importante ter essas conversas porque o tempo de exibição é ainda maior agora”, disse Wright, que tem quatro filhos.

 

De acordo com os padrões do site, a nudez, inclusive quando a genitália é visível, é proibida.

“Quando as pessoas relatam conteúdo para nós, agora as informamos que priorizaremos as instâncias com maior potencial de prejudicar nossa comunidade, para que possamos manter nossos revisores em segurança, mantendo-os em casa”, disse um porta-voz da empresa no Facebook. por e-mail. “Com menos revisores disponíveis, aumentaremos o uso da IA ​​para remover proativamente o conteúdo que viola nossos padrões da comunidade”.

O porta-voz não forneceria métricas sobre quanto tempo leva para o site remover uma postagem sinalizada.

Crianças expostas a conteúdos on-line
Desde a mudança para o trabalho remoto, os funcionários do Facebook e do Instagram se concentraram em remover conteúdo relacionado à segurança infantil, terrorismo, suicídio e autolesão e conteúdo nocivo relacionado ao COVID-19, informou a empresa.

Um estudo do Pew Research Center mostra que 59% dos adolescentes norte-americanos foram intimidados on-line, incluindo xingamentos e recebimento de imagens explícitas. Os alunos pesquisados ​​apontaram o dedo para as empresas de mídia social e 66% disseram que as plataformas não estavam fazendo nada para conter o bullying.

De acordo com um estudo realizado pela Bark Technologies, que criou um aplicativo que monitora o conteúdo, quase 90% das crianças e adolescentes expressaram ou experimentaram assuntos ou pensamentos violentos.

O aplicativo analisou mais de 873,8 milhões de mensagens e descobriu que até 84% dos adolescentes foram expostos a conteúdo sexual.

Wright disse que a instalação de software para monitorar o conteúdo pode funcionar como um backup potencial se os sites não sinalizarem conteúdo inapropriado automaticamente. Ele recomenda pessoalmente o Covenant Eyes, que pode funcionar em qualquer dispositivo – Apple, PC ou Android – e o Bark.

O aplicativo Bark, que funciona em várias plataformas sociais, incluindo Instagram, Snapchat e até mensagens de texto, analisa mensagens e feeds em busca de conteúdo. Por meio de seu algoritmo, ele pode sinalizar para os pais certos tópicos, como aqueles que discutem bullying, auto-agressão, drogas e álcool ou conteúdo sexual.

 

 

O que achou deste artigo?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Compartilhe para ajudar outras pessoas a encontrar este artigo.
About The Author
Avatar
Will Lyra

Leave a Response